Coordenador:  Pe. Vilson Groh

Colaboradores: Elainy Vanessa de Souza

                            Priscila Cristina Freitas

                             Luciano Fernando Elias

                            Viviane Olga da Fonseca

                            Débora Regina Freitas

                            Graziela Débora Correa

                            Adriana Kleist C. Nunes

                            Sandro Costa Junior     

                            Rodrigo Cantos Savelli Gomes 

 

 

 

 

 

 


CENTRO CULTURAL ESCRAVA ANASTÁCIA

PROJETO MÚSICA VIVA

www.projetomusicaviva.galeon.com

 

 

IDENTIFICAÇÃO

 

ENTIDADE: Centro Cultural Escrava Anastácia

CGC: 02.573.208/0001-25

ENDEREÇO: Rua General Vieira da Rosa, 610

BAIRRO: Centro – Mont-Serrat

MUNICÍPIO: Florianópolis

CEP: 88020-440

 

DIRETORIA

 

PRESIDENTE: Pe. Vilson Groh

VICE-PRESIDENTE: Darcy Vitória de Brito

1a SECRETÁRIA: Tânia Rocha

VICE-SECRETÁRIA: Rita Carvalho

TESOUREIRO: João Ferreira

VICE-TESOUREIRO: Cleber Ferreira

CONSELHO FISCAL: Donária do Carmo, Terezinha Vieira, João Carlos Luiz.

 

 

 


      BANCO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AGÊNCIA DOS ILHEUS – No 220

CONTA CORRENTE  - No  028.753-9

 

 

 

 

Ìndice

 

01 – Introdução............................................................................................04

02 – Justificativa..........................................................................................05

03 – Resultados Esperados.........................................................................06

04 – Objetivos .............................................................................................07

        04.1 – Objetivos gerais........................................................................07

        04.2 – Objetivos Específicos................................................................07

05 – Integrantes...........................................................................................08

06 – História da Banda.................................................................................09

07 – Cronograma.........................................................................................10

08 – Anexos - Orçamentos..........................................................................11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 – Introdução

O projeto música Viva – vinculado  ao Centro Cultural Escrava Anastácia – tem como presidente o Padre Vilson Groh, o qual começou seu trabalho em Florianópolis em 1979, no Morro do Mocotó como estudante de teologia. Desde o início de sua carreira eclesiástica seu trabalho sempre esteve voltado para as periferias.  Hoje, padre Vilson – que se dedica em tempo integral às ações junto às populações marginalizadas – destaca-se como uma das principais lideranças de movimentos populares da Grande Florianópolis. Mestre em Educação pela UFSC, recebeu em dezembro de 2001 o Prêmio Estadual de Direitos Humanos em função do trabalho – dedicado aos excluídos e marginalizados – que desenvolve junto às comunidades da periferia da capital. Há  anos Groh participa de várias organizações populares ligadas à cidadania. A intervenção do sacerdote se dá com a colaboração de parceiros – colégios, educadores, prestadores de serviços – que, por meio de um trabalho voluntário comprometido, garantem educação e preparação as crianças e jovens das comunidades periféricas. É assim com o Oficinas do Saber, com a Casa da Criança e do Adolescente (Morro do Mocotó) e com o Centro Cultural Escrava Anastácia (Mont Serrat).

A entidade Centro Cultural Escrava Anastácia – com a qual está vinculado o projeto – é  uma sociedade civil sem fins lucrativos, de caráter assistencial e filantrópico, visando a promoção humana e a capacitação de recursos humanos; tendo sido criada por iniciativa de membros da comunidade do Morro Mont Serrat.  Nesse espaço comunitário, além de funcionar um posto de saúde e uma creche, são desenvolvidas as  mais diversas atividades sociais, tais como:  Curso de Alfabetização de Adultos, Escola de Informática, Grupo de Convivência e o Projeto Travessia. A partir do Travessia e da ampliação do espaço físico do Centro Cultural surgiram outros projetos  como  a integração da terceira idade, capoeira para crianças e ginástica feminina. Além disso, firmaram-se convênios com escolas técnicas profissionalizantes (Projeto Pró-Amar); Magistério Popular, no Colégio sagrado Coração de Jesus; Pré-Vestibular, no Colégio Catarinense; e curso de inglês, no Wizard. 

 

Música Viva é mais um dos projetos que tenta tornar mais acessível a educação e a cultura às  comunidades empobrecidas  do centro de Florianópolis, resgatando assim  os jovens das ruas - onde estão expostos ao tráfego e a influências marginalizantes -  trazendo novas possibilidades de lazer,  cultura, educação e formação.    

 

 

2 – Justificativa

 

Todos devem ter direito à cultura, segurança, saneamento, esporte, educação, mas nem sempre isso acontece. Muitos bairros da cidade de Florianópolis têm acesso a  isso, apesar de haver comunidades carentes em todos os tópicos acima descritos. O maciço do Morro da Cruz é um exemplo de abandono pelas autoridades; onde as pessoas vivem à espera de ações por parte dos responsáveis. É essencial, em uma comunidade, que as pessoas tenham acesso à arte, assim como é indispensável segurança, saneamento, educação, etc. Para isso, é importante a Igreja contribuir na construção de projetos que vêm de encontro ao interesse da juventude, trabalhando, assim, na questão do empreendedorismo, fazendo com que os jovens encontrem saídas a partir de seu talento.

A nossa Igreja e nossas paróquias estão muito distantes desses grandes processos de inclusão, e isto não pode ser feito somente através de doação de cestas básicas ou arrecadando coisas. Isto se faz gerando oportunidade. Assim, considerando o acima exposto, o projeto pretende trazer a música aos jovens da região do Monte Serrat.; por meio do uso da voz, de instrumentos musicais e da convivência no trabalho em grupo, visamos aumentar a cidadania e a dignidade de vida nos morros de Florianópolis. 

 

No entanto, para que isso seja possível, precisamos primeiramente de recursos para a compra de instrumentos e equipamentos musicais. No momento, nossas principais carências são os instrumentos para a formação da banda da comunidade, por exemplo: bateria, amplificadores, microfones, etc. A aquisição desses elementos é indispensável para o desenvolvimento da banda que já está em formação e vêm realizando encontros semanais há alguns meses. No entanto, a falta de equipamentos e instrumentos está dificultando os ensaios e a qualidade do som das musicas.

 Os orçamentos detalhados dos produtos se encontram em anexo nas páginas 10, 11 e 12.

 

03 - Resultados Esperados

 

À curto prazo – com os recursos captados para compra de instrumentos e equipamentos musicais necessários para a formação banda – pretendemos fazer, já nos próximos meses, algumas apresentações em eventos culturais e religiosos da comunidade. Com isso queremos atrair a atenção dos jovens que já tem alguma noção de música para que venham tocar conosco e ajudem na realização do projeto.

 

À longo prazo pretendemos criar um centro de educação musical na comunidade para que crianças, jovens e adultos possam desenvolver seu talento e buscar na música não só uma forma de lazer, mas também um modo de vida. Com isso, queremos prepará-los para que possam formar novos grupos, bandas, corais e pequenas orquestras formadas pelos moradores das comunidades empobrecidas.  Para que isso seja possível devemos buscar convênios com universidades (como a UDESC), conservatórios e escolas de música para trazer voluntários, bolsistas, alunos e professores dispostos a ensinar e aprender junto à nossa comunidade.

 

 

04 – Objetivos  

 

04.1 – Objetivos gerais

 

  • oportunizar aos jovens da comunidade de Nossa Senhora do Monte Serrat o desenvolvimento da arte, da cultura e da espiritualidade por meio do uso de instrumentos musicais, do uso da voz e da escolha de músicas culturais e religiosas;

 

04.2  – Objetivos específicos

 

  • Desenvolver em cada integrante a consciência do trabalho em grupo e da convivência com as outras pessoas;

 

  • Conseguir patrocínio para a compra e manutenção dos instrumentos, para cópias de partituras e também para o uniforme do grupo;

 

  • Realizar apresentações em diversos espaços, como: igrejas, centros de cultura, escolas, constituindo assim num meio de aproximar as comunidades e a escola pública;

 

  • Aumentar, o longo do tempo, o número de integrantes do grupo musical para envolver cada vez mais a comunidade e, com isso, diminuir o número de jovens nas ruas;

 

·        Por meio da música religiosa, tornar a banda um exemplo para outras comunidades, resgatando os valores culturais, exercitando a vivência da cooperação e da solidariedade;

 

  • Reforça a auto-estima da comunidade com palestras, reuniões e retiros, mostrando aos jovens que na vida há outros meios de resolver os problemas sem ser o caminho da marginalidade;

 

 

05 - Integrantes da Banda

 

                                                                              

                       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


06 - A História da Banda (por Elainy)

 

Tudo começou com uma enorme vontade de cantar de: Priscila, Débora, Elainy e Graziela. Em momentos importantes e na nossa Igreja do Monte Serrat nós cantávamos de vez em quando;  só o simples fato de cantar na Igreja nos contagiava e ficávamos muito felizes.

            Então surgiu a idéia de fazer uma banda e convidarmos o Luciano para fazer parte da banda. Convidamos também a Viviane e a Adriana que teve a idéia de colocar alguns anúncios na UDESC; foi quando o Rodrigo se interessou pelo anúncio e veio participar. Decidimos fazer uma reunião junto com o Pe .Vilson e, com muito esforço, conseguimos dar o primeiro  passo para que a nossa banda siga em frente.

            Temos um baixista, um tecladista, uma baterista, e quatro vocalistas, mas como nada é perfeito faltam recursos para que essa banda se concretize realmente. Faltam alguns instrumentos tais como:  Bateria, Microfones, Caixas De Som, Cabos, etc.

            Começamos nossos ensaios todas as segundas -feiras as 19:00h, mesmo com os poucos instrumentos que temos que são: Teclado, Guitarra, Baixo, Pandeiro e Atabaque que estes são dos próprios músicos mesmo assim estamos firmes e persistentes naquilo que queremos. Com responsabilidade e vontade chegamos lá.



 

 

 

 

 

 

 

 

 

07 - Cronograma

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

08 – Anexos - Orçamentos para os equipamentos da banda

 

ANEXO1 - Orçamento realizado em 22 de junho na loja Flauta Mágica – Florianópolis – Centro

 

 

 

 

 

ANEXO 2 – Orçamento realizado em 22 de junho na loja Músicos Floripa

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 3 – Orçamento realizado em 22 de junho na loja Mensageiro Musical – Florianópolis – Centro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

www.rodrigocantos.galeon.com